16 de agosto de 2012

Cruzando o caminho do sol.




 Cruzando o caminho do sol.
Autor: Addison, Corban.
Editora: Novo Conceito.
ISBN:  9788581630090.




"Se não temos paz,
 é porque nos esquecemos de que pertencemos uns aos outros.
- Madre Teresa de Calcutá.


"Porque os lugares escuros da terra
 ficaram cheios
 de moradias de violência." 
- Asafe, o salmista.

A dica de leitura de hoje é muito especial, pois, além de ser um livro bem bacana, as fotos são do meu exemplar que foi autografado pelo próprio autor na 22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, graças ao estande da editora Novo Conceito, que realizou esse evento (com direito a um bate-papo pré autógrafos com o autor, que é pura simpatia.)

Dentro das possíveis classificações de gênero que podem ser atribuídas ao livros, existe duas classes que quando unidas resultam em um romance tão sensacional como o de estreia de Corban. Quando você une a ficção-suspence , cria personagens que tem em sua tragetória acontecimentos de fatos reais, a leitura se torna algo além de um mero passa-tempo e sim um informativo intrigante detentor de toda a sua atenção e que deixa marcas na sua essência.
Em Cruzando o caminho do Sol, nos deparamos com o tema real de trafico de mulheres, seja para fins sexuais ou para transporte de drogas e escravidão; Mas quando digo mulheres, me refiro a seres humanos do gênero feminino de qualquer idade!
Acompanhamos os sofrimentos de duas irmãs indianas que acabam de sobreviver ao tsunami e são sequestradas, vendidas, usadas para os mais imundos fins e tristemente separadas.
A vida dessas duas crianças que tiveram sua inocência e razão de viver brutalmente arrancadas de si dependem de organizações e leis que são facilmente flexibilizadas por corruptos e infames. (Não se iludam, neste submundo escroto não trabalham apenas homens. Mulheres se tornam cafetinas visando lucros infindáveis!)


Corban é advogado e por isso as questões legais do livro são postas com tanta propriedade e de uma forma que permite a compreensão. Talvez por saber o quão enojante o tema é, ele nos poupa de alguns detalhes extremamente sórdido, tratando a monstruosidade de forma humana.
Inevitável não construir um laço com o enredo e não se sentir afetado com a história. Ao chegar na ultima página, somos invadidos por uma reflexão profunda sobre quantas pessoas de fato vivenciam essa tragedia.
Corban lista algumas organizações que tentam ajudar casos como o tratado em seu livro, o que , para os que quiserem se engajar nesta nobre causa, é uma verdadeira 'mão-na-roda'.




 Espero que leiam e que compartilhem o efeito causado pelo livro.
Boa leitura!
Beijos Beatri.X




Um comentário:

  1. LIvro Sensacional, escrito com propriedade e sabendo o que esta se falado....

    ResponderExcluir