9 de agosto de 2012

A Doce vida na Úmbria




Título: A doce vida na Úmbria
Autor: De Blasi, Marlena
Sextante - ISBN 9788575427590




Pela lógica cronológica, esta seria a quarta aventura autobiografica de Marlena, porém a escolhi como primeira (por aparentemente ser a ultima) a ser comentada aqui.

Como um boa descendente de italianos, boa bibliotecária e bibliófila, boa comilona e boa 'metida a cozinheira' acompanhei os passos de Marlena desde o seu inicio de romance com Fernando 'olhos cor de mirtilo' no livro Mil dias em Veneza, lambendo os beiços a cada menção de docinhos  fumegantes de damasco, passando ansiosamente para Mil dias em Toscana, que quando inteiramente lido me fez anotar na minha lista de desejos futuros como sonho principal comprar o palácio Barlozzo para poder comer pão italiano recém saído do forno a lenha, regado com muito azeite e vinho; Tomei como se fossem minhas as férias relatadas em Um certo verão na Sicilia e finalmente me senti completa com este (ao que tudo indica) fim de mudanças, na Úmbria.

Marlena, uma aficcionada por comida e por conhecer pessoas, conta um trecho da sua vida nestes livros, com graça, despertando gula e afeto nos leitores. É como se ela abrisse seu salão de dança para nós, completos estranhos, nos aconchegasse ao redor do forno quente em um cozinha aromatizada por delícias sendo preparadas e nos tornasse intimas das pessoa com quem ela cria laços de amizades ao longo de suas aventuras.
Li Uma doce vida na Úmbria no ínicio das férias e agora que elas chegaram ao fim, para não entrar em 'parafuso' antevendo a loucura do fim de ano e o retorno as obrigações e responsabilidades, decidi inclui um lembrete na minha cabeceira - lembrete esse, que só fara sentido à vocês se resolverem ler os livros da Marlena para entendê-lo -: Reformar um salão de dança, dar uma festa onde todos meus amigos possam se conhecer e que todos os homens estejam de black tie e sapato marrom, felizes e com a mesa farta.

E vai uma dica: em cada livro De Blasi dá ao final do capitulo ou ao final da obra, as receitas das comidas e quitutes citados.
Não vou mentir que dá uma coceira na mão só de imaginar cozinhar tudo aqui para saciar nossa vontade.




"As linguiças haviam sido assadas no forno mais cedo, neste mesmo dia.
 Agora roliças e crocantes, ainda nos tabuleiros [...] 
As nuvens e o fogo baixo agora deram os braços e quando o vento sopra, 
folhas tremulam e estrelas aparecem[...] 
Mas há um novo perfume vindo da cozinha [...] 

- Ciambelle di Sant'Antonio - diz.
Parece que Santo Antonio também tinha um fraco por rosquinhas."



Espero que gostem da leitura (e das comidas :P ),
Beijos Beatri.X



Um comentário:

  1. Eu adoro os livros da Marlena! gostaria que outros fossem publicados aqui no Brasil!

    ResponderExcluir